“cinema” por carlos oliveira

I

O ecrã petrificado,
Muros, ossos,
O movimento áspero da câmara
Mergulhando nos poços
Das leis universais,
O rigoroso cálculo da luz
Em que a matéria já cansada,
Autómatos, metais,
Se envolve pouco a pouco
No vagaroso amor
Que é trabalho quase imperceptível
Das manchas de bolor,
A ferrugem, o espaço rarefeito,
E um relógio apressado no peito.

II

A lentidão da imagem
Faz lembrar
O automóvel na garagem,
O suicídio com o gás do escape,
Quer dizer,
O coração vertiginoso
E a lentidão do mundo
A escurecer
Nas bobines veladas
Dos suaves motores crepusculares
Ou, por outras palavras,
flashes, combustões,
entregues ao acaso das artérias,
melhor, das pulsações.

III

Radioscopia incerta
Como nós,
Mas provável, exacta
Na dosagem da sombra com o cálcio
Da sua arquitectura
Milimetricamente interior,
Transforma-se o espectáculo
Por fim
No próprio espectador
E habita agora
A fluidez do sangue:
Cada imagem de fora,
Preso ao fotograma que já foi,
Do glóbulo em glóbulo se destrói.

Advertisements

~ by egoista on December 28, 2008.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: